Comida di Buteco – Parte II

Eu amo tudo que movimenta a cidade. Adoro ver lugares cheios, pessoas andando de um lado para outro, agitação!

Um dos meus dias preferidos do ano é o dia das Eleições! Arrepio de ver o movimento nas ruas! (Sou boba, não nego).

Com o Comida di Buteco não tem como ser diferente! Um festival que coloca todos os amantes de boteco, e até os que não gostam desse estilo – OLHA EU AQUI! – unidos por uma causa!

Dediquei o meu sábado para fazer um circuito Prado, ir no máximo de botecos possíveis, experimentar o máximo de pratos e contar para vocês.

(Terei que fazer uma pausa dramática para me explicar. Gente, eu não gosto de botecos, não curto bares e não nasci para comer costelinha. Se depender de mim eu ia falar que não gostei de quase nenhum, então vou abster da minha opinião para fazer esse post, tá? Vou contar o que as pessoas que estavam comigo acharam).

Ali Ba Bar: Bolinho de tropeiro recheado com linguiça e couve, bolinho de arroz acompanhado de panceta e Tapioca mineira

Imagem

Chegamos ao lugar e não tinha mesa, mas ficamos em pé e já pedimos o prato.

Chegou uma porção de tamanho bom, muito bonito, quentinho (acredite em mim, nem todos os lugares são assim).

O petisco era gostoso, mas o que destaca não é nem a mandioca (representada pela tapioca) nem a linguiça (escondidinha no bolinho de tropeiro), mas sim o torresmo, que estava realmente sensacional, bem sequinho.

A tapioca estava uma delicia, mas eles colocaram um molho doce. Por quê??? Por quê??? Eu amo tapioca, mas detesto queijo com açúcar!

Há quem não goste do fato dos itens obrigatórios do prato não estarem em evidência, há quem ache que eles realmente não  tem que se destacar. Então vai de cada um né? Pra mim tanto faz, se o prato for bom, nem ligo!  Mas acho que não sou parâmetro.

Mas um dos pontos mais reclamados aqui era que nem a linguiça nem a mandioca se destacavam, mas o que brilhava era o torresmo.

Bom, nós gostamos, mas não achamos o melhor do dia não!

 Bar do DocaCostela de boi com empada de mandioca recheada com linguiça

Imagem

E só os fortes provarão o prato do famoso Bar do Doca! A fila é muito grande, a espera longa e quem realmente quiser entrar no bar tem que batalhar por isso! E sentar na cadeira é igual troféu da vitória! Uma verdadeira prova de resistência do BBB. (Big Buteco BH – Rá, curtiu? Não? Nem eu! #piadaruim)

A empada, que é feita de massa de mandioca e recheio de linguiça, estava fria! Muito fria! Aí não dá! Você pega uma menina chata, que não curte CdB e ainda entrega empada fria? Perdeu pontos comigo. Mas ok, dizem estava gostosa.

A costela estava normal, nada extraordinário. – Pagando R$ 22,00 ninguém esperava um Outback. Eu provei e, no meu mínimo conhecimento sobre o assunto, achei boa. Macia, quente.

Mas não tinha nenhum molho, e uma amiga que já havia ido ao bar, disse que no prato dela veio com molho. #vaisaber

Novamente temos o problema de que o item principal se perde no prato. Com uma costela gigante quem presta atenção em linguiça?

Patorroco: Mini cones com ragu de linguiça calabresa e molho de gorgonzola

Imagem

Estava ansiosa – e com muita fome – quando cheguei ao Patorroco. A multidão de pessoas me fez pensar se eu realmente estava num bar ou em um carnaval fora de época. Meus pés doíam, meu estomago roncava, mas eu não ia desistir! Não quando tinha ido tão longe! Não quando só falta o boteco, o campeão de 2012!

E que bom!!!

CÉUS!! O QUE É AQUILO??

Alguém me explica a criatividade de quem pensou este prato! A pessoa pegou aqueles cones que a gente põe doce de leite, fez um molho de tomate com linguiça, recheou o cone e colocou no topo um punhado de gorgonzola!!

Eu amei! Comeria os 16 conezinhos da porção!

O melhor disparado!

E apenas 16,90!

(obs: acho muito legal ver a diferença de opiniões, que mostra que realmente não somos iguais! Eu apaixonei com Patorroco, Lucas, por outro lado, não adorou. Ainda prefere o Armazém do Árabe!)

Conclusão:

Mesmo não curtindo muito esse tipo de comida adorei minha tarde e quero repetir! Muito legal fazer uma um trajeto com vários bares em um dia. Adorei as filas, curti os momentos de espera, e me sentia vencedora quando uma mesa vagava.

Parabéns aos três bares que mantiveram seu banheiro limpinho, cheiroso e organizado!

PONTO DECEPÇÃO: SÓ TEM PEPSI, PODE SER? Obvio que não pode ser! Onde já se viu isso? Morri de sede!

Advertisements

Comida di Buteco – Parte I (Cervejaria Seu Romão, Bar do Antônio (Pé de Cana) e Armazém do Árabe)

O Comida di Buteco começou e a gente não podia ficar de fora. No último fim de semana, começamos a nossa peregrinação pelos bares de BH em busca do petisco perfeito.  E já temos nosso primeiro candidato ao título!

Começamos a árdua tarefa de comer muito no início da noite de sábado. Ajudados pela chuva em BH, demos sorte de conseguir a mesa no primeiro boteco, a Cervejaria Seu Romão, em 15 minutos, isso sem falar da vaga sensacional NA PORTA do bar.

O bar estava lotado, é claro (detalhe: deu dó do Surubim, que fica do lado do Seu Romão. Não tinha nem cachorro de rua na porta. Aposto que ano que vem ele participa do CdB!). Sentamos e já pedimos de cara o petisco Doritos, que é a entrada do CdB. Todos os bares têm que fazer um petisco que tenha Doritos, pra uma competição meio que paralela. O do Seu Romão era o Machos Borrachos.

Imagem

Fizeram um prato mexicano, com o Doritos no lugar dos nachos, feijão, queijo e um molho bem apimentado. Ficou até gostosinho, mas o comentário geral era que parecia aqueles pratos feitos em casa, num dia que a galera se reúne pra tomar cerveja e o anfitrião fala “vou arrumar alguma coisa pra gente comer”. Nada de fantástico, mas quebra o galho.

Veio então, o prato principal: “Linguiça a 7 chaves difamada na cachaça”, que é Linguiça de Carne de Sol Suína, bolinho de mandioca recheado e costelinha, acompanhados de molhos.Imagem

O bolinho de mandioca e a lingüiça estavam muito bons, mas, surpreendentemente, o melhor do prato era a costelinha e o molho dela (não me pergunte a lógica, já que os ingredientes do festival são a mandioca e a linguiça). A quantidade era bem inferior à da foto da divulgação (óbvio!), mas, no geral, o prato estava bem gostoso. Recomendado!

Todo mundo feliz e satisfeito, partimos para o próximo boteco. Procuramos meio que na sorte o bar mais próximo e o eleito foi o Bar do Antonio (Pé de Cana). Pra quem não conhece, o Pé de Cana é um dos bares mais tradicionais de BH e sempre fica lotado, mesmo sem o CdB. Claro que, nesse dia, não seria diferente.

O mais divertido desse bar foi o diálogo com o garçom na hora de colocar o nome na lista:

– Tá demorando muito pra chamar?

– Não, só um pouquinho…

– Menos de uma hora??? (ALEGRIA ESTAMPADA NO ROSTO)

– Não.

A vantagem era que o serviço estava liberado na porta do bar, então o pessoal já ia começando os trabalhos ali fora mesmo. Como a ideia era ir em mais um bar, preferimos já começar pedindo. Arrumamos uma cadeira para usar de mesa, incorporamos o espírito praiano (Guarapari, pra especificar melhor) e comemos em pé mesmo. Fica, então, a dica: se você for para o Comida di Buteco, leve a paciência com você. E, talvez, duas cadeirinhas de praia e uma mesa dobrável, o que teria sido bem útil pra gente.

Vamos ao que interessa: comida! O Petisco Doritos era o Boi Ralado, nada mais que maminha ralada com Doritos.Imagem

Fraco! A carne moída lá de casa é mais gostosa, além de não combinar absolutamente nada com Doritos, né. Faltou noção!

Ok, nada que abale o ânimo de bons comensais (gastei!), então pedimos o prato principal: Riquezas de Minas – Bolinho de mandioca recheado com ragú de linguiça, coxinha da asa picante.Imagem

Ninguém sabia o que era o tal do ragu… e continuamos sem saber. Mas nada que o Google não resolva também. O prato estava muito gostoso, o bolinho de mandioca e a linguiça muito bons e a asinha sensacional (de novo o melhor do prato não é a linguiça nem a mandioca). Só tinha um grave problema: o prato veio frio!

Para mim já era o bastante pra eliminar eternamente o bar do festival. Até porque, de acordo com os “especialistas” em gerência de alimentos, estoque e coordenação de cozinha que estavam presentes na nossa mesa, a coisa mais fácil que existe é servir um prato quente. (Nota importante: Esse é o bonito do Comida di Buteco: gente que não sabe fritar ovo vira especialista em cozinha). Vacilo feio!

Como a vida segue e nós tínhamos um roteiro (aleatório) a seguir, tocamos para o próximo bar: Armazém do Árabe, na Serra. E eis que surge o campeão da noite!

Depois de quatro pratos, o petisco Doritos já não parecia uma boa ideia. Essa ideia se afastou mais ainda quando vimos que era um caldo de barôa (!!!!) com Doritos. E eu achando que carne moída não combinava com Doritos.

Fomos direto pro prato principal, o Dibabá: Bolinho de carne recheado com linguiça e kibe de mandioca, acompanhados de salada espanhola de cebola com azeitona. E por favor, parem tudo porque vamos entregar o troféu!

Imagem

A almôndega com linguiça estava muito boa, mas o kibe RECHEADO de mandioca (sim, eu disse recheado) era simplesmente fantástico. Que ideia genial! Eu já estava criticando, procurando a mandioca no prato, falando que estava errado quando me surpreendi com essa maravilha! Definitivamente, o melhor da noite. Ah, a saladinha espanhola também era gostosa, mas vinha tão pouco que nem deu pra perceber que era uma salada. Ok, o kibe compensou tudo.

No fim das contas, o saldo foi positivo: cinco pratos, experiências únicas (do tipo Guarapari em Minas) e um gasto até bem justo, já que estávamos em quatro pessoas e cada um gastou, no total, em torno de 50 reais, incluindo as bebidas. Pra comer desse tanto, vale bem a pena, né?

Agora é passar a semana à base de salada e esperar, ansiosamente, pelo próximo fim de semana para continuarmos à procura do petisco campeão. E viva o sal de frutas!

Obs: Queremos agradecer a presença de três jurados especiais que fizeram esse post mais rico, ajudaram na escolha do melhor da noite e fizeram dessa saída mais divertida.

Lud, Victor e Babs, O Para Falar a Verdade adorou a presença de vocês!